POPS – Cirurgia para Prolapso Pélvico

29/11/2016

 

Prolapsos de órgãos pélvicos são problemas comuns, particularmente em mulheres idosas e multíparas, ou seja, que tiveram muitos filhos.

Apesar de que as queixas apresentadas por uma paciente costumam relacionar-se ao “compartimento” mais afetado – reto, vagina e útero ou bexiga, a associação entre dois ou mesmo os três compartimentos é bastante comum. É o dito “prolapso multicompartimental”.

Por haver uma superposição de especialidades médicas no assoalho pélvico, pacientes podem procurar um ginecologista, um urologista ou um proctologista, que tendem sempre a considerar apenas o “seu compartimento”.

O tratamento direcionado a apenas um compartimento e sem considerar os demais é causa frequente de insatisfação com os resultados cirúrgicos.

A compreensão multidisciplinar do assoalho pélvico tem mudado a maneira como os cirurgiões encaram estes problemas: nota-se uma tendência de preservar estruturas como o útero e o colo uterino e de abordar de modo combinado todos os compartimentos envolvidos.

A POPS, ou Cirurgia para Prolapso Pélvico, foi descrita pelo Prof. Antônio Longo e, desde então, tem sido cada vez mais empregada, particularmente na Europa.

Propõe a suspensão do colo uterino ou do ápice da vagina, que são fixados à parede abdominal anterior mediante uso de tela inabsorvível. Podem ser associados outros procedimentos no mesmo tempo cirúrgico ou posteriormente.

A avaliação pré-operatória é crucial para a seleção das melhores candidatas ao procedimento e para o seu melhor planejamento.