Cisto pilonidal: o que é, quais são suas causas e como é feito o tratamento?

08/01/2018

O cisto pilonidal é uma doença comum, geralmente diagnosticada pela própria pessoa e que raramente requer exames. Mas é importante ficar atento às causas e como prevenir.

Saiba mais nesse artigo…

Comum em homens, indivíduos jovens e pessoas que permanecem muito tempo cisto-pilonidalsentadas, o cisto pilonidal é um saco fechado, frequentemente contento líquido ou pus e que habitualmente aparece na região coccígea (cóccix).

Apesar do tratamento não apresentar complicações na maior parte dos casos e do diagnóstico poder ser realizado durante a consulta, é interessante observar as causas, quais complicações podem ocorrer e como prevenir-se.

Quais são as causas e fatores de risco para ocorrência do cisto pilonidal?

A causa mais frequente diz respeito à penetração de pelos soltos na pele. Eles são reconhecidos como corpos estranhos pelo organismo e pode haver consequente reação inflamatória.

A foliculite (infecção dos folículos capilares) e o que conhecemos popularmente como pelos encravados também podem constituir causa para ocorrência do cisto.

Dentre os fatores de risco estão os já mencionados sexo e idade: homens e jovens até os 25 anos estão dentro do grupo no qual a doença é mais prevalente.

Também devem ser levados em consideração como fatores de risco para o aparecimento do cisto pilonidal o calor e transpiração constantes na região sacrococcígea e o atrito na mesma região, causado quando o indivíduo permanece sentado durante longos períodos.

Quais os sintomas do cisto pilonidal?

Cistos pequenos sem sinais de infecção são geralmente assintomáticos. No entanto, os cistos podem apresentar evolução e se tornar abscessos. Nesses casos, é comum que o paciente relate dor e dificuldade ao sentar.

Em alguns casos também podem ser observados cansaço, febre, vermelhidão e aumento de volume da região.

Por fim, é importante que o tratamento não seja negligenciado. Por mais que não seja uma doença grave, existe a possibilidade de o cisto pilonidal evoluir para carcinoma (câncer desenvolvido a partir de células epiteliais).

Como é feito o diagnóstico do cisto?

O diagnóstico é clínico e pode ser realizado pelo médico proctologista ou clínico geral durante a entrevista e exame físico. Para isso, serão levados em conta a história do paciente, os sinais e possíveis sintomas, além de um apurado exame da região.

Comumente não são realizados exames complementares para diagnóstico do cisto. Pode ocorrer a solicitação de hemograma a fim de analisar a taxa de leucócitos e um possível processo infeccioso no organismo, mas sem grande especificidade.

Como é realizado o tratamento e como se prevenir do cisto pilonidal?

A doença não tem cura, podendo apresentar reincidência mesmo após remoção cirúrgica do cisto.

Caso o paciente relate pela primeira vez o aparecimento do cisto ou que este esteja sem sinais de infecção, pode ser realizada drenagem a partir de uma pequena incisão e anestesia local.

Já em casos de reincidência do cisto ou nos quais seja percebido um processo infeccioso avançado, pode ocorrer o procedimento cirúrgico após uma drenagem inicial.

Nele, ocorre a abertura da região com posterior raspagem da parede interna e remoção de pelos. É comum que a ferida cirúrgica seja deixada aberta para cicatrização natural, visando um menor risco por infecções.

Entendendo os fatores de risco, fica fácil perceber quais são os fatores de prevenção relacionados com a ocorrência do cisto pilonidal. Dentre eles, podemos citar:

  • Não permanecer longos períodos sentado;
  • Tratar a obesidade e excesso de peso se for o caso;
  • Manter a região sacrococcígea (cóccix) limpa e seca;
  • Remover os pelos da região.

EPSiT: o que é o Tratamento Endoscópico do Cisto Pilonidal?

Como alternativa ao procedimento cirúrgico tradicional, uma técnica recente minimamente invasiva tem trazido grandes resultados: trata-se do EPSiT, ou tratamento endoscópico do cisto pilonidal.

A técnica consiste na introdução do fituloscópio (um fino tubo com uma microcrâmera acoplada) a partir de pequenas incisões com o objetivo de visualizar a estrutura interna do cisto. Além disso, a partir dessas incisões, são inseridos os instrumentos cirúrgicos.

O tratamento endoscópico do cisto permite a limpeza de todo o conteúdo interno sem a abertura do local, procedimento que apresenta inúmeras vantagens para o paciente tais como:

  • Menor dor pós-operatória;
  • Cicatrização mais rápida se comparada à da cirurgia convencional;
  • Rápido retorno às atividades habituais;
  • Melhor resultado estético.

Apesar do diagnóstico clínico, do tratamento que normalmente não apresenta complicações e da fácil prevenção, o cisto pilonidal pode evoluir e causar muitas dores e desconfortos.

Ao perceber o aparecimento de sinais ou sintomas característicos da doença, agende uma consulta com um especialista. Ele será o responsável pelo diagnóstico correto e pela definição da melhor forma de tratamento.

Caso você deseje agendar sua Consulta na Clínica Colono, basta nos enviar uma mensagem pela página de contato ou então falar diretamente conosco pelo nosso WhatsApp.