TAMIS – Cirurgia Minimamente Invasiva Transanal

TAMIS

O acesso transanal minimamente invasivo (TAMIS) possibilita o acesso direto ao reto, por via endoscópica.

Trata-se de uma evolução da microcirurgia endoscópica transanal (TEM), procedimento descrito pelo Prof. Gerhard Büess, na Alemanha, no início dos anos oitenta.

À época, o Prof. Büess desenvolveu e propôs um equipamento reesterilizável e de elevado custo, que incluía um retoscópio fechado (espécie de tubo rígido que era introduzido no reto através do ânus), com orifícios pelos quais podiam ser introduzidas uma ótica binocular e instrumentos cirúgicos, como pinças e tesouras, por exemplo.

Desta forma, surgiu a possibilidade de se remover tumores pequenos e superficiais que, no entanto, não podiam ser ressecados com segurança por colonoscopia. Também eram uma alternativa a lesões que estavam além do alcance das técnicas tradicionais de ressecção transanal de tumores sob visão direta.

Apesar do interesse imediato que despertou, a dificuldade técnica em sua realização e o elevado custo dos equipamentos, além da resistência de vários cirurgiões e o diminuto percentual de casos detectados precocemente, fez com que a técnica obtivesse poucos adeptos.

Mais recentemente, dois fenômenos possibilitaram uma reemergência da técnica: o fato de que a popularização da colonoscopia possibilitou o aumento do percentual de casos de tumores colorretais diagnosticados precocemente, aliado ao desenvolvimento de equipamentos miniaturizados de vídeo. Desde então, a técnica ganhou novo impulso, principalmente com as modificações do TEO, variante técnica do TEM que substitui a ótica binocular por uma ótica acoplada a uma câmera de vídeo. Ou seja: agora o cirurgião pode ver imagens de elevada qualidade e resolução num monitor de vídeo.

No entanto, o TEO ainda apresenta as dificuldades inerentes aos elevados custos em aquisição de equipamentos de uso exclusivo para o procedimento além de limitações relacionadas ao posicionamento do paciente na mesa de cirurgia.

Mais recentemente, desde o início desta década, Sam Attalah e Sergio Larach propuseram o TAMIS, técnica como hoje conhecemos e praticamos. Possibilita o acesso ao reto e ao cólon sigmoide, com algumas vantagens.

A primeira, uma expressiva redução de custo, pois é utilizado um dispositivo descartável para permitir a insuflação com CO2 do reto e a passagem da câmera de vídeo e dos instrumentos cirúrgicos.  Agora é possível utilizar materiais cotidianamente utilizados para cirurgia laparoscópica e largamente disponíveis.

Além disso, o fato de tais dispositivos serem curtos e confeccionados em materiais maleáveis, a movimentação das pinças é facilitada, particularmente nos segmentos inferiores do reto.

Em Brasília, temos orgulho de termos introduzido a técnica TAMIS, já tendo operados diversos casos, com graus variados de complexidade.

Dentre as indicações mais importantes, está a remoção de tumores benignos ou malignos em suas fases iniciais, respeitando-se uma criteriosa avaliação pré-operatória e critérios técnicos já bem estabelecidos. A chave para bons resultados está justamente na seleção judiciosa dos melhores candidatos.

A avaliação pré-operatória deve levar em conta não apenas características da lesão. Na avaliação, o aspecto endoscópico, biópsias e uma ultrassonografia anorretal são fundamentais, mas também uma avaliação funcional da competência esfincteriana, a fim de preservar a continência fecal após o procedimento.

Uma vez indicada a cirurgia, há diversas vantagens associadas à realização do procedimento em comparação às cirurgias clássicas, normalmente realizadas por via abdominal (aberta ou laparoscópica). Dentre as principais, citamos um menor custo global associado ao procedimento (a internação é bem mais curta e a recuperação e o retorno às atividades cotidianas, bem mais rápidos), melhores resultados do ponto de vista funcional, um menor índice de complicações e muito menos dor e desconforto após a cirurgia.

Se você deseja informações mais detalhadas sobre esta e outras técnicas minimamente invasivas, procure a COLONO – a sua clíncia do aparelho digestivo. Nossa equipe está à disposição para tirar todas as suas dúvidas.

Assista ao Vídeo: Uso do SILS Port na Cirurgia Endoscópica Transanal (TAMIS e TaTME)